Wordpress, Prestashop, Joomla e Drupal Grátis
OS ADVENTISTA = COMO SURGIRAM.
OS ADVENTISTA = COMO SURGIRAM.

Adventismo é uma religião cristã iniciada no século XIX, dentro do contexto do Segundo Grande Reavivamento dos Estados Unidos. O nome refere-se a crença na iminente segunda vinda de Jesus à Terra. O movimento começou com Guilherme Miller, cujos seguidores ficaram conhecidos como Mileritas. O Adventimo surgiu após a interpretação bíblica de Guilherme Miller de que as profecias da Bíblia se cumpririam nadécada de 1840. Hoje, a maior igreja dentro do movimento é a Igreja Adventista do Sétimo Dia.

A família de igrejas adventistas são consideradas hoje como protestantes conservadoras. Embora tenham muito em comum, ateologia delas difere no que diz respeito ao estado inconsciente (ou consciente) dos mortos, ao castigo dos ímpios ser aniquilação ou tormento eterno, a natureza da imortalidade, a ressurreição dos ímpios e a divergência se o santuário de Daniel 8 se refere ao que está no céu ou na terra.

Origens

A fundação do adventismo está associada a um período de efervescência religiosa nos Estados Unidos no final do século XVIII e primeira metade do século XIX, no nordeste dos Estados Unidos. Deste modo, o surgimento das Sociedades Bíblicas, o não conformismo com o sistema religioso estabelecido, reuniões de reavivamento (revivals), o estilo evangelístico e proselitista de religião permitiram o surgimento do movimento baseado na interpretação das profecias do Livro de Daniel 7 e 8.

<img src=

 Guilherme Miller, membro da Igreja Batista, e outros líderes religiosos estabelecendo o fim do mundo e o retorno de Jesus Cristo para 1843 e depois para 1844.

Pessoas de várias denominações religiosas aderiram a este movimento religioso, embora o mesmo não tivesse uma organização eclesiástica formal, e tivesse pessoas das mais diferentes vertentes protestantes. Após o que ficou conhecido como O Grande Desapontamento, o grupo se dispersou em outros menores. Alguns destes grupos permaneceram marcando datas posteriores para o retorno de Cristo. Outros não demonstraram interesse algum por religião instituída. Alguns voltaram para suas denominações de origem e se desculparam com os líderes, que em muitos casos, os haviam expulsado um pouco antes.[1][2][3]

Depois de uma reavaliação dos estudos de Miller, alguns desses grupos menores persistiram nas profecias mas com uma nova interpretação ao retorno de Cristo, surgindo grupos como a Igreja Adventista do Sétimo Dia, as Igrejas de Deus Adventistas e a Igreja Cristã do Advento [4]. Em comum retiveram o senso da iminência da volta de Jesus Cristo.

Doutrina

A doutrina adventista é baseada no iminente retorno glorioso de Jesus Cristo. A sua missão é a pregação dessa mensagem a todo o mundo.

Há diversos grupos adventistas e com consequentes variações em certos pontos doutrinários peculiares, alguns creem no sono da alma entre a morte e a ressureição, outros incluem a guarda do sábado, regulação dietária, juízo investigativo, aniquilação da alma dos pecadores(arrependimento dos pecados) e outras doutrinas baseadas na hermenêutica da Bíblia.

Classificação de Grupos

Depois Conferência de Albany em 1845, onde 61 delegados compareceram, foi organizada a Associação Milenial Americana (American Millennial Association). Todavia não foi possível uma concordância doutrinária e nos subsequentes anos foram formando denominações dissidentes da Associação Milenial Americana. Em sumário, esses grupos consistem dos seguintes movimentos:

Adventistas Dominicais

  • Igreja Evangélica Adventista (Evangelical Adventist Church) - organizada em 1845, é a instituição herdeira da Associação Milenial Americana. Acredita na consciência da alma após a morte e que os justos ressucitarão primeiro, depois haverá um julgamento dos ímpios e a condenação desses no fogo eterno. Virtualmente extiguiu-se nos Estados Unidos depois de 1916.
  • Igreja Cristã do Advento (Advent Christian Church) - acredita na imortalidade condicional da alma e na aniquilação dos ímpios.
  • União do Advento e Vida (Life and Advent Union) - fundada por George Storrs em 1863, uniu-se com a Igreja Cristã do Advento em 1964.

Adventistas Sabatinos

  • Igreja Adventista do Sétimo Dia entre as igrejas adventistas é a maior, com igrejas em quase todos os países do mundo, em 236 países e mais de 16 milhões de membros.
  •  <img src=

Ellen Gould White (Gorham26 de novembro de 1827 — Santa Helena16 de julho de 1915) foi uma cristã americanaprofetisa eescritora cujo ministério foi fundamental para fundação do movimento Adventista sabatista, que mais tarde veio a formar a Igreja Adventista do Sétimo Dia [1]. Os adeptos do Adventismo consideram Ellen G. White uma profetisa contemporânea, embora ela mesma nunca tenha reivindicado para si esse título. Os adventistas acreditam que Ellen White teve o Dom de Profecia[2], como descritos em Apocalipse 12:17 e 19:10. A base dessa crença está no fato do Novo Testamento apontar que nos últimos dias os cristãos teriam novamente o dom de profecia para orientar a igreja.

Os escritos de Ellen White são restauracionistas e se esforçam para mostrar a mão de Deus guiando os cristãos ao longo da história. Em seus livros, evidencia a existência de um conflito cósmico sendo travado na terra entre o bem (Deus) e o mal (Satanás). Esse conflito é conhecido como “o grande conflito” e foi fundamental para o desenvolvimento da teologia adventista.

Ellen White, que também é conhecida como irmã White pelos adventistas, foi uma das líderes que fundaram o movimento adventista do sétimo dia, ao lado do seu marido, Tiago White e de um amigo do casal: José Bates[3]

A Sra. White foi uma figura controversa em seu tempo, gerando ainda hoje muitas discursões, especialmente entre outros grupos cristãos, assim como de pessoas de outras religiões. Ellen afirmou ter recebido uma visão logo após o Grande Desapontamento Milerita. Num contexto onde muitas outras pessoas alegavam também ter recebidos visões, ela era conhecida por sua convicção e fé fervorosa. Randall Balmer, a descreveu como "uma das figuras mais vibrantes e fascinantes da história da religião americana."[4]Já Walter Martin afirmou que ela era "uma das personagens mais fascinantes e controversas do seu tempo a aparecer no horizonte da história religiosa."[5] Ellen White é a autora feminina mais traduzida de não-ficção na história da literatura, bem como o mais traduzido autor de não-ficção americana de ambos os sexos.[6] Seus escritos tratam de teologiaevangelizaçãovida cristã,educação e saúde (ela foi uma defensora do vegetarianismo). Ellen também promoveu a criação de escolas e centros médicos.

Durante sua vida, ela escreveu mais de 5 mil artigos e 40 livros. Hoje em dia, graças as compilações feitas de seus manuscritos, mais de 100 títulos estão disponíveis em Inglês e 52 em português. Alguns de seus livros mais populares são Caminho a CristoO Desejado de Todas as Nações e O Grande Conflito.

<img src=

Em 1845 Ellen encontrou com aquele que viria a ser seu esposo, James Springer White (também conhecido na lusofonia como Tiago White), um milerita que se convenceu de que as visões de Ellen eram genuínas. Um ano mais tarde, Tiago a pediu em casamento, e em 30 de agosto de 1846 eles se casaram perante um juiz de paz em PortlandMaine. Mais tarde Tiago escreveu:

"Casamo-nos em 30 de agosto de 1846, e daquele momento em diante ela tem sido minha coroa de júbilo… Têm sido na boa providência de Deus que nós temos nos regozijado com a profunda experiência do movimento adventista. Tal experiência é agora necessária para que unamos nossas forças e unidos, possamos trabalhar extensivamente do oceano Atlântico ao Pacífico…"[14]

Tiago e Ellen tiveram quatro filhos, todos homens: Henry Nichols, nascido em 26 de agosto de 1847; James Edson, nascido em 28 de julho de 1849; William Clarence, nascido em 29 de agosto de 1854; e John Hebert, nascido em 20 de setembro de 1860.

Somente Edson e William viveram até a vida adulta. John Hebert morreu de erisipela aos três meses de idade, e Henry faleceu de pneumoniaaos 16 anos em 1863.[15]

O decorrer de sua vida

Ao descrever suas experiências com visões, Ellen White dizia ser envolvida por uma brilhante luz. Nestas visões ela estaria na presença de Jesus ou de anjos que lhe mostrariam eventos (históricos e futuros) e lugares (na terra, no céu, ou outros planetas), ou lhe davam informações. Ela descrevia o fim dessas visões como sendo envolvida e trazida de volta à escuridão da Terra.

As transcrições das visões de White geralmente continham teologia, profecia, ou conselhos pessoais a indivíduos ou a líderes adventistas. Um dos melhores exemplos de seus conselhos pessoais é encontrado em um livro intitulado Testemunhos para a Igreja, uma série de 9 volumes, que contém testemunhos publicados para a edificação geral da igreja. As versões faladas e escritas de suas visões desempenham um papel significativo em moldar a estrutura organizacional da emergente Igreja Adventista do Sétimo Dia. Além disso, elas continuam a ser usados por líderes da igreja no desenvolvimento das políticas da Igreja e para a leitura devocional.

Em 14 de março de 1858, em Lovett Grove, Ohio, White recebeu uma visão enquanto participava de um funeral. Naquele dia, Tiago White escreveu que "Deus manifestou Seu poder de forma maravilhosa "acrescentando que" muitos se decidiram a guardar o Sábado do Senhor e se unir ao povo de Deus." Ellen, em seu escrito sobre esta visão, declarou ter recebido instruções práticas para membros da igreja, e algo ainda mais significativo: um vislumbre cósmico do conflito "entre Cristo e Seus anjos, e Satanás e seus anjos." Ellen White exporia este tema do grande conflito que finalmente se transformaria na série Conflito dos Séculos.[16]

O Ministério Após A Morte De Seu Marido

Após 1882 Ellen White foi assistida de perto por amigos e associados. Ela contratou assistentes literárias que a ajudariam no preparo de seus escritos para a publicação.[17][18]Também mantinha uma intensiva correspondência com líderes da igreja. Ellen, então, viajou para a Europa em sua primeira viagem internacional. Após seu regresso, ela apoiou E.J. Waggooner e A.T. Jones, jovens pastores, no desenvolvimento da doutrina da Justificação pela Fé. Alguns líderes da igreja resistiram ao seu conselho e, para evitar conflitos, ela foi enviada a Austrália como missionária.[19]

A mensagem de Ellen White

A vontade de Ellen White era que o mundo fosse "contagiado" pela mensagem do segundo advento de Cristo à Terra para buscar aqueles que servem ao único Deus. Ela diz em seus escritos: "Eu sinto meu espírito agitado dentro de mim. Eu sinto até o fundo de minha alma que a verdade deve ser levada a outros países e nações, e a todas as classes. Que os missionários da cruz proclamem que há um só Deus, e um Mediador entre Deus e os homens, o qual é Jesus Cristo, o Filho do Infinito Deus. Isto precisa ser proclamado em cada igreja em nossa terra. Os cristãos precisam saber disso, e não colocar os homens onde Deus deveria estar, para que eles não sejam mais adoradores de ídolos, mas sim do Deus vivo. Existe idolatria nas nossas igrejas.".[20]

Muitas vezes, sua mensagem era reflexo dos pensamentos dos Adventistas pioneiros de sua época.[21] Esses pensamentos ela chamou de "Fundamentos da Nossa Fé" e escreveu:"Quando o homem vier mover um alfinete do nosso fundamento o qual Deus estabeleceu pelo seu Santo Espírito, deixe os homens de idade que foram os pioneiros no nosso trabalho falar abertamente, e os que estiverem mortos falem também, reimprimindo os seus artigos das nossas revistas. Juntemos os ráios da divina luz que Deus tem dado, e como Ele guiou seu povo, passo a passo no caminho da verdade. Esta verdade permanecerá pelo teste do tempo e da experiência."[22]

Sobre a sublime missão da mulher (ser mãe), escreveu Ellen G. White: "Ela não tem, como o artista, de pintar na tela uma bela forma, nem como o escultor, de cinzelá-la no mármore. Não tem como o escritor, de expressar um nobre sentimento em eloquentes palavras, nem como o músico, de exprimir em melodia um belo sentimento. Ela tem, sim, com o auxílio divino, de gravar na alma humana a imagem de Deus".[23]

Controvérsias

Alguns ensinamentos de Ellen G. White causaram controvérsia, tanto na academia quanto entre religiosos. Passagens da obra de Ellen G. White também já foram acusadas de racismo e de plágio. Entre as polêmicas, encontram-se alertas contra a masturbação, que ela considerava uma fonte de debilidades físicas, e o consumo de carne de porco, que, segundo Ellen G. White, causaria lepra.

 

VEJA: http://adventistas.ws/ellenGwhite.htm

Wikiquote
Wikiquote possui citações de ou sobre: Ellen G. White

Sites adventistas

Notas e referências

  1.  Maxwell, Mervyn - História do Adventismo, CPB
  2.  Maxwell, Mervyn - Magnificent Disappointment : What Really Happened in 1844...and Its Meaning for Today, Adventist Book Center New Jersey
  3.  Douglass, Herbert E. - A Mensageira do Senhor, CPB
  4.  MELTON, J. Gordon. Encyclopedia of American Religions.Thomson Gale: 7th edition, 2002
  • Dick, Everett N. William Miller and the Advent Crisis, Berrien Springs: Andrews University Press, 1994.
  • Doan, Ruth Alden. The Miller Heresy, Millennialism, and American Culture, Philadelphia, PA: Temple University Press, 1987.
  • Frank S. Mead, Samuel S. Hill and Craig D. Atwood. "Adventist and Sabbatarian (Hebraic) Churches" section (p. 256–276) in Handbook of Denominations in the United States, 12th edn. Nashville: Abingdon Press
  • Melton, J.G. The Enciclopaedia of American Religions. California, 1996.
Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese



ONLINE
1





Partilhe este Site...

Avarez Leia Gospel +

Inocente  

Links Gospel